Caso não esteja vendo a mensagem corretamente, acesse o navegador.
 
 
 

A rota tecnológica da MWM

A transformação digital, expressão que tem ganhado muita relevância, vem sendo incorporada às operações da MWM, empresa recém-adquirida pela Tupy, nos últimos nove anos. O significativo resultado obtido até agora é o ganho real acumulado de 23% de produtividade.

A empresa já realizou mais de duzentos workshops e encontros semestrais de acompanhamento da implantação do lean manufacturing (manufatura enxuta). “É o início do caminho que leva à indústria 4.0, com uso de internet das coisas, computação em nuvem, realidade virtual e aumentada, simulações, inteligência artificial e outras tecnologias habilitadoras”, afirma Michael Andreas Ketterer, diretor industrial, responsável por esse processo em toda a empresa e integrante do Comitê Consultivo do Rota 2030, no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Outro passo importante foi a criação do CIP (sigla em inglês para processo de melhoria contínua), quando representantes de outras áreas da MWM passaram a ser mais envolvidos. “Produção, montagem de motores, usinagem de peças, logística e, mais recentemente, nosso centro de distribuição de peças e o administrativo foram chamados a participar.” Com essa interface, a eliminação de desperdícios e o aumento do valor agregado foram expressivos.

Em 2018, a MWM iniciou seu road map, ou mapeamento dos desafios tecnológicos, para indústria 4.0. A partir desse levantamento, iniciou-se o trabalho com startups para três projetos, com recursos do Programa de Alavancagem de Alianças para o Setor Automotivo (A3), do Senai, e outros três projetos da Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). São eles: prova de conceito (PoC, na sigla em inglês) para manutenção preventiva com uso de realidade aumentada; “escalabilidade” do PoC, com acréscimo de recursos avançados de internet das coisas (IoT); e inteligência artificial (IA) para manutenção preditiva, a partir do aprendizado de máquina.

Recursos do Rota – Em 2020, a MWM identificou oportunidades concretas de avançar em seu mapeamento tecnológico no Programa Alavancagem de Alianças do Setor Automotivo. São três projetos em curso, no âmbito do Rota 2030, que devem estar concluídos até o final do primeiro trimestre de 2023:

1) Desenvolvimento de sistema de gestão de execução da produção (MES, Manufacturing Execution System), para gerenciamento e controle dos processos de chão de fábrica em multiplataforma WEB, com interface intuitiva que agrega módulos de machine learning para análise dos padrões de torque (aperto de parafusos) especificados por projeto;

2) Quality Execution System (QES), para desenvolvimento de sistema semelhante ao MES, que aborde os aspectos de qualidade de todo o ciclo de vida do produto, desde o desenvolvimento até a qualidade assegurada no cliente final;

3) IoT para gestão da manutenção e geolocalização dos racks de motores, utilizando recursos de IoT, para visualizar, controlar e gerenciar a utilização desses ativos, garantindo que não fiquem fora do fluxo produtivo e logístico normal e que a manutenção preventiva seja feita de maneira otimizada.

Com a maturidade e a escalabilidade desses projetos, por meio dos recursos do programa do Rota 2030 e dos editais da ABDI, a MWM almeja, para os próximos três anos, atingir excelência operacional com aumentos de produtividade ainda superiores aos alcançados com os processos de lean manufacturing, nesta última década, e de excelência operacional na Qualidade e na Logística.

Ketterer recomenda “fortemente” que toda a cadeia de autopeças preste atenção aos recursos públicos disponíveis para investimento em inovação. “A excelência operacional, que é possível para todos os elos da cadeia produtiva, vai elevar a competitividade das empresas e do País.”

Desde 2019, foram captados cerca de R$ 900 milhões pelo Rota 2030, dos quais R$ 500 milhões estão disponíveis. “Independentemente do desafio tecnológico de cada empresa, os recursos do programa podem ajudar muito”, afirma Mauricio Muramoto, diretor de Inovação do Sindipeças. “Nossas empresas não devem perder a oportunidade de investir em inovação.” Cerca de R$ 400 milhões estão alocados em projetos já concluídos ou em curso.

Participe – Para conhecer as oportunidades do Programa Rota 2030 e saber como se candidatar, envie mensagem para inovacao@sindipecas.org.br.

Helena Cristina Coelho
Assessora de Comunicação

Janeiro de 2023

O 4.º Encontro da Indústria de Autopeças será em 24 de abril. Inscreva-se e participe.